domingo, março 18, 2007

Sempre esperei surda__agitadamente inquieta, sentada sobre as pernas da Angústia, embalada em seu colo. Esperando por ele_

Achei que deus fosse um animal superior, muito grande. Não entendia.
Constante a sensação de suspense, parecia que a qualquer minuto ele poderia arrombar nossa casa e sem pedir licença castigar a todos. Todos sem exceção, mesmo. Talvez deva-se a isto tanta devoção, tanta desculpa, culpa. Tanto esforço de minha mãe.
Nada, ainda nao vi deus
Deus nunca chegou, mas espero aninhada nos seios da Angústia
O que diria ele?
Não posso ouvir, mas se pudesse! Pode ser que também fosse surdo, ou mudo, ou cego, ou até mesmo que falasse numa língua muito estrangeira.

Venta muito.

Tenho os olhos abertos, mas cobertos, ando assustada. Uma velocidade! Oh!
Como correm da chuva essas pessoas. Gritos da correria.


Como eu gostaria de saber o segredo que sai desses aparelhos com fones para os ouvidos que as pessoas tanto escutam, todas elas! Todos os dias! O tempo todo! Será, enfim, a voz de Deus? E se então ele já houver me chamado?

Surda. Absurda. Surda.

a_b_solutamente_a_b_surda

Adormecida, acariciada pelas mão finas da Angústia

6 comentários:

draupadi disse...

gente, q coisa... uma surda e uma analfabeta pensando sobre os ondes e porquês de deus...

deus então está presente, não acha?
não vê. oremos aos nossos corações!

(gosto muito de tuas palavras!)

A Antimusa disse...

Achei muito lindo!
Acho q sentimos/pensamos parecido...Dá uma olhadinha nos meus e depois vc me fala se vc concorda?
Saudações literárias!

philippe albuquerque disse...

muito interessante teus textos,
fiquei sabendo por via de uma amiga desse seu blog,
ela recomendou muito bem ele...
ela disse por alto ter te conhecido, disse q vc é ator, escritor, enfim,
eu tbm faço textos, o q mais me apego são poesias...
se quiser dar uma olhada nelas pode visitar meu blog,
seria um grande prazer pra mim,
enfim, meus cumprimentos, sinceros, em relaçao aos textos,
desculpe-me a fome com q provavelmente engoli alguns acentos ou letras.
até breve...

A Antimusa disse...

Bem... Nesta vida sou de Belo Horizonte. Um abraço.

philippe albuquerque disse...

q bom q ce olhou, pra mim é uma honra...
enfim, é bem provavel q vc seja mais um da lista dos q anum me conhece e acham q jah me viram...
isso acontece com alguma frequencia...
infelismente nunca fui ver essa montagem naum, o q tbm provavelmente me anula algumas possibilidades de jah ter te visto...
a amiga na qual me refiri no comentário anterior chama-se Paola, ela é uma estudante de cinema, que, se naum me engano, jah viu alguma peça sua, e que frequentemente lê os textos postados no desangue tbm,
ela alem disso é uma cantora da noite tbm, naum sei se vc jha a viu o a conhece, enfim,
mais uma vez é um prazer falar contigo...
até breve!

A Antimusa disse...

Assis, continuo lendo seu blog como um livro. Te coloquei no link. Quase sempre sei exatamente o que você estava dizendo ou tentando dizer...Se não é a mesma coisa que sinto, encontro nas suas palavras o equivalente literário dos meus sentimentos. você já leu Sylvia Plath e Ana Cristina César? Não sentimos parecidos porque escrevemos, é o contrário.
Abraço